Notícias (

17/06/2022

)
Plataforma de monitoramento da Covid-19 ganha repercussão e auxilia entidades no combate à pandemia

Ferramenta foi desenvolvida por membros da SBMAC e do CeMEAI

Desde o início da pandemia, a plataforma Info Tracker vem acompanhando a evolução da Covid-19. Desenvolvida com o apoio do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI), financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), a ferramenta, que concentra e analisa diversos dados sobre o novo coronavírus, se tornou referência no Brasil.

Elaborado pelos professores Wallace Casaca (UNESP), pesquisador do CeMEAI e membro da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional (SBMAC), e Marilaine Colnago (USP), coordenadora do Comitê de Mulheres da SBMAC, o projeto tem como colaboradores o doutorando Fábio V. Amaral (UNESP) e os docentes Cassio M. Oishi (UNESP) e José Alberto Cuminato (USP). O Info Tracker conta com informações de números de internações, casos ativos, taxas de transmissão (Rt), número de leitos ocupados e disponíveis em cada cidade monitorada e muitos outros dados relevantes do contexto pandêmico nacional. O sistema tem sido recorrentemente atualizado e tem viabilizado a consulta de dados de séries históricas, índices epidemiológicos, estatísticas e projeções futuras para cada município acompanhado e para todas as cinco regiões do Brasil, possibilitando que as informações sejam avaliadas e comparadas na íntegra. Aberto ao público em geral, o Info Tracker tornou-se referência nacional na busca de informações quantitativas a respeito da pandemia. A modelagem Rt é usada pela Rede Nacional de Consórcios Públicos dos Municípios, que agrega mais de 2 mil cidades brasileiras, nas consultas e tomadas de decisão. A métrica também é acompanhada e veiculada por agências da imprensa nacional e no exterior.

O Info Tracker tem como um de seus principais propósitos estimular a inserção digital da população e da classe jornalística em meio ao tema, oferecendo ao público condições tecnológicas para explorar os dados de forma interativa e com alto grau de detalhamento. Além de ser útil para governos e municípios no combate ao vírus, a plataforma também foi construída para que os dados sejam comunicados de forma mais didática, informativa e clara para a população.

Para Marilaine, desde o lançamento da ferramenta, o maior desafio enfrentado foi a falta de atualização dos dados por parte dos órgãos públicos. “Essa tem sido a nossa maior dificuldade, visto que alimentamos parte substancial de nossa base com os boletins epidemiológicos das prefeituras municipais. Fazemos isso com o objetivo de não sermos afetados com possíveis apagões ou atrasos nas esferas federal e estadual, e também para apresentar dados o mais fidedigno possível da realidade”, explica.

O reconhecimento aos esforços dos criadores do Info Tracker veio tanto no número de acessos à plataforma quanto com o recorrente fluxo de notícias veiculadas pela grande imprensa nacional referenciando a ferramenta ou estudos derivados. Ao todo, entre citações diretas e indiretas, são ao menos três mil menções nos últimos dois anos.

Veículos como Folha, UOL, Estadão, O Globo, Veja, CBN, Rede Globo, CNN, Band, SBT, Record e afins são alguns dos exemplos. O site oficial do Info Tracker traz uma lista com reportagens selecionadas e veículos de imprensa que repercutiram o trabalho. No exterior, BBC, DW, AFP e El País também deram destaque ao projeto, assim como órgãos públicos como Butantan, Ministério da Saúde e prefeituras municipais e estaduais.

O time de pesquisadores tem despendido grande esforço na manutenção e no aprimoramento da plataforma, fornecendo aos gestores, entidades jurídicas e secretários de saúde parâmetros métricos capazes de observar a realidade de cada cidade, sensibilizando-os sobre a necessidade de ações de curto e longo prazo. Tudo isso a partir dos dados, métricas e projeções matemáticas geradas.

Em paralelo, alguns artigos acadêmicos foram desenvolvidos e auxiliaram na melhor disseminação de informações sobre a Covid-19. Um exemplo é o estudo “Simulating Immunization Campaigns and Vaccine Protection against COVID-19 Pandemic in Brazil”, responsável por avaliar os efeitos da vacinação nas pessoas internadas com COVID-19. Através dele e da compilação de dados oficiais, foi demonstrado que apenas 3.6% das pessoas que vieram a óbito estavam plenamente imunizadas. O estudo foi citado em ao menos 400 matérias na mídia, redes sociais e reportagens, e tem ajudado na desmistificação das vacinas na luta contra as fake news e campanhas anti-vacinas no Brasil.

Por meio de dados de pessoas internadas e vacinadas, também foi possível estimular um novo debate entre as entidades científicas brasileiras: a aplicação das doses de reforço. Inicialmente, o debate surgiu apenas voltado para o grupo de maior risco – os idosos -, mas depois a recomendação foi extrapolada para outras faixas etárias.

Os estudos, que permitiram o surgimento de um novo modelo epidemiológico inteligente, puderam quantificar qual foi o impacto, em termos de óbitos e novos casos, do atraso da vacinação no Brasil, e também serviram para substanciar ações públicas diversas, como propostas de emendas em leis, despachos jurídicos e medidas de cunho fiscalizatório e processual. Um bom exemplo foi o destaque ao estudo na CPI da Covid-19 no Senado.

As soluções matemáticas desenvolvidas no âmbito do projeto também têm sido aplicadas para acompanhar a pandemia em outros países, como a criação do App Pandemic Stats BE, desenvolvido por pesquisadores da Bélgica sob a orientação do professor Cássio Oishi.

Sobre o Info Tracker

O Info Tracker surgiu através da preocupação dos pesquisadores em buscar formas de combater a pandemia do novo coronavírus. Buscou-se trazer qualidade e organização de todos os tipos de dados referentes à doença para que eles ajudassem a traçar um panorama mais certeiro do processo de evolução dela.

Diferentes frentes de trabalho têm sido estimuladas através do uso do Info Tracker, como a condução de pesquisas científicas no contexto da COVID-19 no Brasil, a divulgação científica e a colaboração com veículos de grande visibilidade da imprensa a fim de  monitorar a doença no país, ações para assegurar transparência e auditoria de dados, estudos e assessorias para subsidiar políticas públicas e despachos jurídicos, além de esforços científicos contra o negacionismo e para desconstrução de fake news.

Segundo o professor Wallace Casaca, o maior desafio para o futuro será preservar a qualidade das pesquisas e das análises estatísticas diante da escassez de dados atualizados e alimentados continuamente. “Há também a dificuldade de estimular e capacitar gerações futuras de pesquisadores para atuar em novas frentes do projeto, o que envolve conhecimento técnico apurado sobre Matemática, Inteligência Computacional e Programação”, afirma.

Casaca também explica sobre as dificuldades para o financiamento da ferramenta. “A captação de recursos como contraparte do poder público para avançarmos na implementação de projetos mais amplos no país é, em geral, burocrática e requer sensibilizar um grande número de congressistas a fim de, ao menos, preservar o já escasso investimento atual em Ciência e Tecnologia no Brasil”, completa.

O InfoTracker tem sofrido as consequências do recente crescimento da taxa de subnotificação dos casos de Covid-19 no país. “A ferramenta é afetada em razão da alta subnotificação no país. Para que possamos tomar decisões baseadas em modelos matemáticos, precisamos dos dados os mais próximos possíveis da realidade. Um exemplo é o caso do cálculo da taxa de transmissão na região de Osasco (DRS Grande São Paulo Oeste), que não é mais realizada por falta de atualizações dos boletins epidemiológicos por parte de algumas prefeituras municipais da região”, lamenta Marilaine.

A plataforma é atualizada diariamente, a partir da execução de um conjunto de etapas que leva, em média, duas horas por dia, incluindo finais de semana e feriados. O painel reúne mais de 530 mil acessos desde sua criação, em julho de 2020, e tem contribuído para o fortalecimento da Ciência e da Matemática Aplicada e Computacional em nível nacional a partir de sua utilização em escala.

Em meio ao processo de produção e evolução da plataforma, além do estudo “Simulating Immunization Campaigns and Vaccine Protection against COVID-19 Pandemic in Brazil” e dos levantamentos realizados, também foram desenvolvidos em paralelo os artigos  “Towards Providing Effective Data-Driven Responses to Predict the Covid-19 in São Paulo and Brazil” e “Lockdown contra a Covid-19 funciona ou não? Um estudo de caso com o município de Araraquara”.

Compartilhe:

2022

CONFIRA NOSSOS DESTAQUES

A SBMAC cria um ambiente propício para o intercâmbio de ideias e experiências entre pesquisadores(as), profissionais e estudantes das mais diversas áreas da Matemática Aplicada e Computacional. Parte importante de nossas atividades é dar destaque, através de prêmios e publicações, à pesquisa desenvolvida na área pela comunidade científica.